sexta-feira, 30 de agosto de 2013

A Casa, um poema de Fernando Fiorese


video
AUMENTE O VOLUME DO SOM 

Trilha sonora
Bolero (1928), de Maurice Ravel

11 comentários:

  1. Conheci uma casa assim, na minha infância... ou na minha adolescência, não sei bem.

    Na verdade, acho que foram várias casas - ao longo da minha vida... mas também não sei bem.

    Excelente trabalho, excelente trilha sonora.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernando:A simples palavra "Casa", para mim, é mundo sem fim, como digo num poema, não sei se conhece...essa "sua" CASA, com seu Verbo sempre dinâmico, a trilha sonora e a soma das imagens tão bem escolhidas, tornou tudo muito especial.Parabenizar você, para mim, já é lugar-comum, tal a admiração por seu trabalho, sua estilística.Divulgarei.Grande abraço!Clevane Pessoa.

      Excluir
  3. Muito bom. Tem um clima clássico das animações Disney, mas Magrite no lugar do Pateta. O poema é bem resolvido. Parabens, Fiorese, agora vc tirou onda.

    ResponderExcluir
  4. Ah, é tão lindo que o poema insiste em morar na gente.

    ResponderExcluir
  5. Que lindoooo... amei o poema, a animação, a música.. tudo!!
    Parabéns!!

    ResponderExcluir
  6. Que casa movimentada hein ! Adorei ! Só vi 5 vezes.

    ResponderExcluir
  7. Muito bons o poema e a animação. Esta poética agrega valor às palavras e faz da interface de linguagens um forte componente de comunicação e estética. Parabéns! Espero acompanhar mais de perto as próximas atrações. rs. Abraços deste seu admirador.

    ResponderExcluir
  8. Simplesmente genial! Parabéns!
    Mônica Padula de Souza
    https://www.facebook.com/caligrafiapadulajf

    ResponderExcluir
  9. A casa é um espaço-tempo, pois nos remete a lugares e à infância, adolescência... e no tempo-agora reconstruo o espaço-passado... o vídeo comunica essa transferência... em versos-fragmentos...

    ResponderExcluir