domingo, 30 de setembro de 2012

Moacyr Scliar (1937-2011)



A marca humana de questionar e de emocionar

Na biografia de minha geração, cujo período de formação se deu na primeira metade dos anos 1980, a descoberta da literatura brasileira contemporânea (dos anos 1950 em diante) se confunde com o doloroso desvelamento da nossa realidade social e política, ainda oculta naquele período sob a propaganda ideológica do país que vai pra frente, sob os efeitos pirotécnicos e artificiosos do milagre econômico da década de 1970, sob o slogan “Brasil: ame-o ou deixe-o”, grafado à força nos corpos e nas mentes de quantos ousaram rebelar-se contra a ditadura implantada pelo golpe militar de 1964.
 Desde a imprensa e as artes até as universidades, partidos, sindicatos e outras organizações civis, as vozes públicas que teimavam em desafinar o coro dos contentes foram silenciadas ou restringidos o volume e a amplitude de sua manifestação. Domesticados e encobertos pelas artes de berliques e berloques do discurso oficial, os paradoxos e paroxismos do desordenado e selvagem processo de industrialização do país eram meticulosamente expurgados do horizonte de informação do cidadão comum. Ainda quando este não pudesse escapar da violência, da miséria e da bárbara injustiça social que proliferavam na realidade concreta das grandes e médias cidades brasileiras. Mesmo o discurso mais elaborado não alcança impedir que se manifeste a crueza e o vigor do real.
Embora os limites de seus efeitos políticos e sociais num país de analfabetos e frágil tradição de leitura – e talvez por isto um mínimo menos vigiada pela censura –, a literatura tornou-se uma das vias privilegiadas de acesso da minha geração para o conhecimento do embate que, na cena urbano-industrial desencadeada pelo desenvolvimentismo da ditadura, travavam as forças da barbárie e da civilização. Dentre muitos outros, escritores como Rubem Fonseca, João Antônio, Dalton Trevisan, Luiz Vilela, Ignácio de Loyola Brandão, Antônio Torres, João Ubaldo Ribeiro e Sérgio Sant'Anna trataram de traduzir “o tempo presente, os homens presentes, a vida presente”, desnudando as grandes questões do Brasil contemporâneo. Das populações periféricas e marginalizadas às elites econômicas, com privilégio da classe média urbana, produziram eles um retrato das misérias, contradições e perplexidades que nos acossavam na segunda metade do século XX.
Elaborada de forma aleatória e com apenas alguns poucos prosadores que se encontram em faixa etária próxima, à relação anterior torna-se imprescindível ajuntar o nome de Moacyr Scliar, morto no último dia 27 de fevereiro, às vésperas de completar 74 anos. A reunião de narrativas curtas intitulada A balada do falso Messias (1976), não por acaso publicada na coleção “Nosso Tempo” da Editora Ática, foi o título que, ainda em princípios dos anos 1980, me introduziu à obra deste escritor gaúcho. Estavam ali os arquétipos judaicos e bíblicos aclimatados à realidade brasileira (conto-título), a dor e o vazio existenciais do homem degradado pelo poder do capital (“Agenda do executivo Jorge T. Flacks para o dia do Juízo Final”, “Comendo papel”), o humor refinado e ferino a desvelar e corroer as menores idiossincrasias da classe média (“Escalpe”, “Ofertas da Casa Dalila”), o questionamento da função social do escritor e da literatura na sociedade contemporânea (“Testemunho”, “Os contistas”). Ao longo dos últimos 30 anos e ao acaso das leituras, enfileiraram-se na estante e na memória outros tantos romances e coletâneas de contos de Scliar – O exército de um homem só (1973), Histórias da terra trêmula (1976), Os deuses de Raquel (1975), A guerra no Bom Fim (1972), O carnaval dos animais (1968), O anão no televisor (1979), O ciclo das águas (1975) –, sem jamais arrrefecer o alumbramento deste leitor diante de uma escrita que, através de narrativas escorreitas e de fácil apreensão, traz a marca humana de questionar e de emocionar, das lágrimas ao riso.

Publicado no jornal
Tribuna de Minas, Juiz de Fora, 06 mar. 2011,
por ocasião da morte de Moacyr Scliar (1937-2011)

Um comentário:

  1. Cecy Barbosa Campos1 de outubro de 2012 07:25

    Sempre bom relembrar Moacyr Scliar, um dos grandes nomes da nossa literatura. A "marca humana" ficou presente em sua obra através do registro dos problemas, preconceitos e características dos judeus q vieram p/ o Brasil assim como pelos problemas da saúde pública q ele tão bem conheceu pelo exercício da medicina.

    ResponderExcluir